20 de jul de 2013

Pesquisa Ibope enterra tucanos e cria oportunidade para Dilma misturar teimosia com ousadia



A pesquisa do Ibope publicada hoje, mostra queda nas intenções de voto de Dilma em relação à última pesquisa de março. Apesar do histórico de pouca confiabilidade de pesquisas divulgadas longe do pleito, não convém simplesmente desconsiderá-la, pois todas as pesquisas trouxeram tendência de queda.


É cedo para a oposição comemorar e cedo para governistas chorarem. Da mesma forma que sempre dissemos que o salto alto era o inimigo nas pesquisas que apontavam alta popularidade, o pé no chão de agora não é motivo para alarmismo e muito menos para derrotismo. É motivo para o governo trabalhar, teimar, persistir, ousar, correr riscos necessários e enfrentar os desafios.

Há sim desejo de mudanças mais profundas no Brasil, o que não é ruim, pois está se pedindo educação e saúde pública de qualidade, depuração nas práticas políticas e mais democracia direta. São reivindicações boas, que qualquer governo popular tem prazer em se dedicar para atendê-las.

No fundo, o governo Dilma continua sendo o principal ator capaz de definir o destino das eleições. Se atender um pouco a contento as demandas populares (e atenderá em parte até no piloto automático, devido aos investimentos que estão em curso), o mesmo emotivismo que levou a queda bruscas, poderá fazer a popularidade voltar a subir. Nunca é possível agradar a todos, mas é possível atender demandas da maioria. O volume de investimentos em mobilidade urbana, por exemplo, que aparecerá nas ruas em 2014 falará mais alto do que críticas de oposição. Os médicos que estão sendo contratados para atender no SUS é transformador da realidade de milhões de brasileiros.

Nenhuma liderança emergiu com força suficiente deste movimento político recente. Marina Silva subiu sem fazer nada, mas ela tem o "recall" das eleições de 2010 onde capturou o voto de quem não tinha candidato e parece ser o plano "B" de quem "está contra tudo isso que está aí". Digamos que as pedras e coquetéis molotov não atingiram seu telhado. Mas é questionável se consiga manter um patamar de votos suficiente para vencer o pleito na hora de uma campanha eleitoral acirrada em que ela tenha que se expor, com suas contradições, e conquistar a confiança do eleitor de que é capaz de governar melhor.

Para os tucanos o quadro é bastante desolador. O resultado das manifestações praticamente enterrou as pretensões do tucanato. Se podem comemorar o desgaste de Dilma, não há o que comemorar com Aécio patinando enquanto viu Marina subir. O recado do eleitor é claro: se não for Dilma, não será Aécio, nem Serra. Outro complicador é que o tucanato não tem como capitalizar desgastes do exercício do poder tendo oito governadores exercendo o poder. Não é de se estranhar se até 2014 Aécio desista de ser candidato a presidente e concorra a governador.

Uma coisa estranha na pesquisa do Ibope foi Joaquim Barbosa aparecer com números bem menores do que apareceu no Datafolha, quando apareceu empatado com Aécio. Ou é uma confirmação de que está havendo variações bruscas, de caráter emotivo e não racional, ou as pesquisas estão menos confiáveis do que já eram, ou Barbosa também está sofrendo desgastes como autoridade de poder constituído que é.

Do ponto de vista do governo, há a oportunidade de fazer do limão, limonada. Quando o governo estava com popularidade alta, havia a tendência à acomodação, a evitar correr riscos. Agora, por incrível que pareça, o governo fica até mais livre para ousar.

As propostas de plebiscito e constituinte vieram neste sentido. O PT não pode titubear, se contentando com reformas eleitorais conservadoras que o PMDB quer empurrar goela abaixo para 2014. Tem que demarcar território e ficar claramente ao lado de Dilma. Se forem derrotados no Congresso, declarem-se em alto e bom som como derrotados. Pelo menos entram em 2014 com uma boa bandeira de campanha na área legislativa, e melhora as chances de conseguir força para reformas mais robustas na próxima legislatura.

O enfrentamento das resistências do corporativismo dos médicos é outra boa medida. Assim como foi alocar os recursos do petróleo para educação, antes que se percam em outras áreas menos prioritárias.

É provável que outras áreas exijam maior ousadia para fazer as coisas acontecerem. Os pactos propostos com prefeitos e governadores foram neste sentido. Afinal a rede do SUS não é federal. O ensino básico não é federal. As creches são convênios com prefeituras. A segurança pública é estadual.

Outra coisa que pode ser melhor explorada é o controle social da corrupção através da lei do acesso à informação e dos portais de transparência. Se tem cidadãos que não estão indo até a lei, a lei tem que ir até os cidadãos. Que tal a CGU (Controladoria Geral da União) promover convênios com o Ministério da Educação para alunos de faculdade fazerem trabalho escolar de controle social através da análise da aplicação de verbas, convênios, repasses? E talvez até, assim como existe olimpíadas de matemática, fazer uma olimpíada de combate à corrupção através do controle social, com estudantes aprendendo a fiscalizar e tomar conta de como é gasto o dinheiro público. Isso elevaria bastante a participação popular no controle do orçamento e inibiria desvios e mau uso do dinheiro público.

NOVA VIA

No Amigos do Presidente

Nenhum comentário: