2 de set de 2013

E o pibinho, hein?

Três dias depois da notícia, ainda estou chocado com a resposta de nossos analistas de economia diante da descoberta de que o PIB teve um crescimento espetacular no ultimo trimestre, chegando a 1,5% neste período. 

Se você somar os últimos 12 meses, chega-se a um índice total de 3% o melhor desde a posse de Dilma. 




Este dado torna a previsão de 3% de crescimento anual de 2013 bastante realista, embora nada esteja assegurado nas apostas econômicas nos dias atuais, quando o cenário externo é um horror e o ambiente interno exibe fissuras e sinais de desconfiança.

Ainda assim, seria razoável imaginar que nossos analistas tivessem disposição para bater no peito e fazer autocritica de forma clara e absoluta. 

Ninguém precisa chegar às humilhações da escola stalinista, que formaram tantos analistas convertidos ao conservadorismo na idade adulta, mas seria razoável admitir que seus termômetros perderam a confiabilidade. 

Nada disso. A reação padrão é apresentar uma série de poréns, mas, todavias, contudos, para o futuro. 

Um deles chegou a escrever, como se fosse uma professorinha de primário segurando a palmatória, que “ finalmente” a economia cresce. 

Finalmente? O pessoal passou os últimos meses anunciando que o país estava à beira do abismo e agora estamos no “até que enfim” ? 

É certo que esse ritmo de 1,5% não será mantido nos próximos meses. Ninguém imagina isso. 

Mas o esforço para transformar a economia num alvo fácil para o ataque da oposição em 2014 torna-se mais difícil. 

Ao fazer uma aposta econômica errada, nossos analistas cumprem um papel complicado. 

Num universo onde a confiança cumpre uma função essencial, os maus profetas ajudam a transformar o bom em regular, o regular em ruim, o ruim em péssimo. 

Criam um ambiente de desanimo, de falta de vontade, de descredito. Isso é ruim para o país. 

A agenda muda. O sujeito que ia ao banco para fazer um empréstimo para ampliar seu investimento para no meio do caminho. Aquele que iria contratar uma nova leva de funcionários coloca as barbas de molho. 

Os aumentos de salario ficam mais difíceis, as negociações sindicais se mostram mais difíceis e emperradas. 

Nenhum comentário: