3 de set de 2013

Governo descobre que o Brasil é racista


Em debate promovido pelo programa Brasilianas.org, da TV Brasil, a ministra de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, fez uma análise curta e grossa da realidade brasileira: segundo ela, a reação contra os médicos cubanos que chegaram ao Brasil na semana passada, para participar do Programa Mais Médicos, evidencia que ainda existe racismo no Brasil e que ainda se questiona o lugar que os negros ocupam na sociedade.


"Não tem como, no Brasil, pessoas brancas se dirigirem a pessoas negras chamando-as de escravas e isso não conotar racismo. Ainda mais quando se questiona o papel social dos negros, que não poderiam ocupar lugar social", disse.

Para a ministra, a sociedade brasileira ainda resiste a medidas que buscam combater as desigualdades. Por isso, disse, é preciso trabalhar para mudar essa característica cultural. "As manifestações de racismo correm soltas, de um modo que não víamos há muitos anos. Ao mesmo tempo, o desafio de lidar com essas manifestações requer uma mudança de mentalidade, um processo de reeducação para que a inclusão de determinados segmentos seja vista como um benefício para toda a sociedade."

O programa, segundo notícia da Agência Brasil, também abordou os direitos de mulheres, das pessoas com deficiência e dos homossexuais.

Nalu Faria, integrante da Marcha Mundial de Mulheres, destacou que muita coisa ainda precisa ser feita para que os direitos das mulheres sejam assegurados. Ela exemplificou com o direito ao aborto e a pouca representatividade das mulheres no Parlamento e em postos de poder e com o problema da dupla jornada de trabalho. "A maioria das mulheres ainda é responsável pelo trabalho doméstico, o que significa que a sociedade não vê nisso um problema."

Para ela, isso se reflete inclusive na pouca representação no Parlamento, onde se debatem projetos que, como o Estatuto do Nascituro, "tolhem um direito básico que é o direito ao corpo".

A ex-secretária nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência Izabel Maior lembrou, no debate, ainda segundo a Agência Brasil, que a garantia de direitos também passa pela educação. Ela defendeu um modelo inclusivo de educação e criticou a invisibilidade em que as minorias vivem em espaços sociais como a escola. "Há alguns anos, o Estado não se envolvia na questão da educação inclusiva e o modelo de educação segregadora, em que as pessoas com deficiência ficavam em estabelecimentos diferenciados, não levou a uma verdadeira inclusão. A educação inclusiva deve ser um princípio básico para mudar a sociedade",  disse.
Já Gunter Zibel, militante em defesa de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transgêneros, acha que os partidos políticos precisam encampar mais o debate sobre a inclusão. Segundo ele, cada vez mais, aparecerão políticos que defenderão as bandeiras dos movimentos de direitos humanos.

"É direito de todas as pessoas viver em uma sociedade inclusiva, em uma sociedade respeitosa."
(Com informações da Agência Brasil)

A Nova Via - @riltonsp

Nenhum comentário: